Porventura, a maior das minhas ambições:

Significar.

Blame it on the night.

Na vida não há culpa nem sorte, tudo é uma escolha. Se queres respeitar a liberdade de alguém, começa por respeitar as suas escolhas.

Trying to stay sane is like a full time hobby.


Acknowledging otherness inspires closeness.

Controlando-o, exigiria que aparecesse, aqui e agora, para o fôlego que me sobeja, o tempo que se demora. Todavia, é imprevisível, irremediável, pouco confiável. Nunca se sabe por quem vem, a que horas chega, o que lhe vai apetecer. É cheio de conflitos e contradições, do contra, vá. Hoje serve-lhe mas amanhã, tudo igual, não lhe serve. É de humores inconstantes, que tanto se pode satisfazer com oito ou com oitenta. Não há um padrão que seja de fiar, uma sequência conhecida para desaguar aquela luxúria. Talvez venha, talvez não.

James Blunt thinks I'm beautiful.

Agora que penso nisso, não sei se foste quem me disse ou se foi algo que aconteceu por si, mas quando leio Eugénio de Andrade é sempre em ti que penso. Há quem tenha canções só suas na história de uma amizade mas a ti não te bastaria uma canção se poderias ser em mim também um poeta.

Wise men talk because they have something to say; fools, because they have to say something.

Ao comparar um conjunto de personagens em recentes entretenimentos*, encontro a evidência de um denominador comum: parece que tendo a simpatizar com anti-heróis. São eles as personagens por quem ninguém dá nada, geralmente confundidos por pessoas insensíveis, e até mesmo rudes, mas que depois têm os gestos mais atentos e estão presentes quando todos falham. São quem tem tal auto-confiança, que chegam a ser tomados por arrogantes e despreocupados da opinião dos outros, mas que na verdade são apenas pessoas que se querem aperfeiçoar e que conhecem bem os seus princípios. São aqueles que passam por burros, idiotas até, mas que pensam mais do que dizem, sabem mais do que mostram. São os estranhos, os loucos, os simples, que me atraem.

(Adam Driver, em Girls, e no filme This is where I leave you; e Gaby Hoffmann, em Transparent)

Who shagged who.

As empresas são, de facto, todas iguais: quando se trata da festa de natal, o único assunto verdadeiramente importante é saber quem dormiu com quem.

You see, I'm not "like a boss". I'm the boss.

Não caias no erro de tomar reputação por credibilidade, ou valorizar mais o que sabes do que aquilo que não sabes. As letras gordas vendem os jornais mas as conclusões definem-se nas letras miúdas dos contratos. Decide tu o quão alta é a tua fasquia. O jogo, sendo competitivo, é, na verdade, só de ti para contigo; sendo contínuo, pode acabar, na verdade, quando bem te apetecer.

Filho és, pai serás.

Podem envergonhar-te os comportamentos, aterrorizar-te as mentalidades. Disseste que serias diferente. Melhor. Disseste que nunca agirias assim, que não percebias a inutilidade e infância daquelas razões, a mesquinhez das palavras mais raras e cruas. Disseste que nunca haverias de coincidir naquelas prioridades e que o amor era o que se punha na comida e na roupa, mas também nas cedências e regras, nos costumes e nos dizeres. Disseste muita coisa. Melhor, disseste.

Afastas-te o suficiente para criar uma distância que seja de segurança e de vigia, o ponto em que a vista, não sendo de detalhe, possa ser agradável. Partes, ignorando o nome, a casa, o dia. Depois, ao primeiro tropeço, repetes os gestos mais desprezados, descobres as mesmas expressões no rosto, dás por ti a seguir uma ordem que não entendes, começas sempre por dobrar as toalhas de banho.

Melhor, disseste. Mas não podes fugir de quem és.

Não quero voltar cedo à certeza de ter menos.


Reservado.

Não sei se foi coisa de se criar sozinha com o tempo ou se fui eu quem o pôs ali, nem consigo agora apurar se foi nascido ou escolhido, se veio com a essência ou com a existência, mas há, dentro de mim, um lugar que te pertence por ancestral direito.

Lê-me.

Desconhecia as palavras e era nesse desconhecimento, e por causa dele, que as amava. Como alguém que se apaixonasse loucamente por uma puta: desconhecendo-lhe o passado, as marcas na pele, o sorriso impensado sem razão de modo e lugar, mas acreditando com firmeza que basta o prazer e que só consigo ela grita assim.

Do saber usar as palavras ou Também espero andar a escrever cada vez melhor.

Sendo sensível, faltava-lhe porém a sensibilidade para o sentimentalismo dos outros.

Ninguém é de ninguém (mesmo quando se ama alguém).

Quando sobrar apenas o vento, quando todas as inquietações se quietam, talvez possas então entender que tudo é uma intermitência, uma fragilidade que ninguém destruiu ainda, por sorte. Quando o tempo se demorar, o destino que se aceita, saberás que tudo passa e que a vida é maior do que os olhos que vês, o rosto que acarinhas. Saberás então que nenhuma irritação, nenhuma dor, nenhum ciúme, nenhum rancor ou arrependimento se deitam contigo. Finalmente, saberás que não possuis nada senão o que carregas dentro de ti.

Too many secrets, too many nights.

Where there is nothing left to hide, there is nothing left to seek.

Toda a verdade é só uma aproximação à verdade. Por vezes, é também uma escolha (que não quero fazer).

Uma expressão bonita: dar à luz.

Não darás ao mundo, não darás às trevas, não darás à dor ou aos outros. Darás à luz. E, sob a luz, que cada um veja, por si, o que conseguir ver.

Life, hidden beneath the blah, blah, blah (it's just a trick).

This is how it always ends. With death. But first there was life, hidden beneath the blah, blah, blah... It's all settled beneath the chitter chatter and the noise, silence and sentiment, emotion and fear. The haggard, inconstant flashes of beauty. And then the wretched squalor and miserable humanity. All buried under the cover of the embarrassment of being in the world, blah, blah, blah... Beyond there is what lies beyond. And I don't deal with what lies beyond. Therefore... let this novel begin. After all... it's just a trick. Yes, it's just a trick.

(La Grande Bellezza)

We're all on the brink of despair, all we can do is look each other in the face, keep each other company, joke a little... Don't you agree?

Quando chegares lá, o mundo estará maior do que a última vez que o viste, terás de fazer um breve esforço para que te caiba dentro dos olhos tanto horizonte. Quando chegares, saberás que já não és quem partiu mas que a natureza sempre encontra uma forma, o tempo outra. Também o tempo, quando chegares lá, se fará de outras contas e de outros movimentos, de outras cores. Talvez se desleixe à preguiça e deixe de nos perseguir, por fim. Lá, a mudança é sonho e ditame. Reinventas a história mais uma vez para poderes ser tu, tu de novo, tu cada vez mais próxima de quem és. Quando chegares lá, entenderás todos os paradoxos do desespero e da alegria e o mistério de quem ainda ri. Entenderás como dançar é uma revolução, como o corpo é cheio de sabedoria e de razões invioláveis. Chamarás a vida pelo nome e ela virá a ti porque te pertence. Poderão haver dias em que acharás que te enganaste e que a realidade é uma intermitência. Mas quando outros se queixavam, tu foste quem fez o que tinha de ser feito. Segue com essa verdade.

Quando chegares lá, serás já de lá. Saberás, porém, que existem muitos caminhos e saberás bem quais são os caminhos de voltar.

Vivemos sempre sem pedir licença.



Nós somos um instante no infinito
Fragmento à deriva no Universo
O que somos não é para ser dito
O que sente não cabe num só verso.

Enquanto olhares para mim eu sou eterna
Estou viva enquanto ouvir a tua voz
Contigo não há frio nem inverno
E a música que ouvimos vem de nós.

There's no such thing as "safe sex".

Por vezes sou egoísta e apetece-me estar em Portugal só para poder ver "Os Maias" e "Os gatos não têm vertigens".

You know I'm on my way, please meet me there.

Amava-lhe o amor como se amava a uma pessoa a expressão do sorriso, como se fosse uma parte singular do seu corpo, coisa tangível, capaz de ser tocada, vista e reconhecida na rua. Um amor que era como um ser outro, que existia nela mas que era investido de personalidade e tão real como se a vida lhe fosse própria. Se ela era de amar, era também por causa do seu amor.

Porque o seu amor, sendo condicional, era incansável. Sendo de tonterias, era imenso. O seu amor estava-lhe tatuado na carne, nas palavras, em cada gesto. Era descomplicado e livre, uma coisa simples. O seu amor era assim, simples. Eu vislumbrava-lhe apenas a sombra, apenas a memória, e já amava aquele amor dela como se lhe conhecesse o detalhe. Um amor celeste e límpido, aquele que sempre encontrava nos seus olhos.

Passion is for teenagers and foreigners.

O que se oculta, o que se cala, o que se impede, o que se afasta, o que se afoga, o que se asfixia, o que se mata. O que por três vezes se nega. Foi quando Pedro, amando a Cristo, o negou por três vezes, que o galo cantou.

Si me preguntan de donde vengo, yo no lo sé.


Como ar ao fogo, como água à terra.

Tentar domesticar um sentimento, viver uma relação em cativeiro, produz os mesmos resultados que tentar domesticar ou colocar em cativeiro um animal selvagem: mais tarde ou mais cedo, ou agoniza ou ataca-te quando menos o esperares. Não queiras por isso prender, socializar, ou restringir o que é, por natureza, selvagem. A sua vivacidade e magia não vêm da sua protecção mas da sua liberdade. A sua sobrevivência não é de ser segura mas de se fazer todos os dias.