'Tá forte, a cebola.

Sei que não vai durar para sempre. É, como tudo, uma questão de tempo. Mais tarde ou mais cedo, depois da vez que foi a dele, a ausência já tão sentida, seguir-se-á o resto, um de cada vez. Faz parte. Até lá, fazemos por ignorar essa certeza cada vez mais próxima, embebeda-mo-nos dos risos mais sinceros e vamos abusando do tempo sem que a oportunidade precise de propósito. Ele diz "continuem assim unidos" e por momentos sinto-lhe a falta do moscatel e dos mcflurries, não é todos os dias que se encontra quem oiça a mesma canção e tenha o mesmo gelado preferido. Somos então essa legião a combater a saudade, uma qualquer. E continuamos.