Ando para escrever isto desde o The Big Short.

Tenho uma admiração grande (atracção até) por um tipo de pessoas a que o meu pai vulgarmente chamaria “do contra”. Não as das manifestações e greves, mas aquelas que são do contra sozinhas, votadas aos extremos do amor e do ódio, quem existe por si. É uma admiração que está tanto naquilo que pensam e dizem, como naquilo que suportam como consequência. Tidos por loucos, teimosos, ignorantes, polémicos, estranhos. E, qual era mesmo aquela palavra? 
(exceptuando o Donald Trump. esse é mesmo só parvo)

1 comentário:

Sara Zestéc disse...

"ou tudo ou não nada, o meio termo é que não pode ser..."